quarta-feira, 19 de setembro de 2012

O DIA EM QUE O GRÊMIO MUDOU A HISTÓRIA DO ROCK



















O DIA EM QUE O GRÊMIO MUDOU A HISTÓRIA DO ROCK
por Rodrigo EC


Reparem na arquibancada, um jovem magrelo e (algo) cabeludo, os olhos atentos por trás dos óculos redondos.
Corria a primavera de 1961 na próspera e industrial Hamburgo, onde os Beatles faziam seu segundo estágio musical. Moravam no sótão do Top Ten Club, na região de St Pauli, onde tocanvam de 6 a 7 horas por noite, sete vezes por semana. Operários do Rock rumo à excelência em composição.
Num domingo de folga, três jovens magrelos hanging around tomam umas cervejas são atraídos pelo fluxo nas imediações. Era uma partida de futebol. Paul disse que o Saint Pauli era a equipe underground da cidade e enfrentaria um time brasileiro, a escola campeã do mundial de 58 na Suécia.
George quis o som da torcida. John disse Let it be.
O time celeste saiu perdendo, mas empatou com um chute de longa distância. Wow, disse Paul. John permanecia mudo e delirante. George captava os acordes das arquibancadas. Os brasileiros marcavam bem. Tinham raça, mas tocavam a bola com arte. Viraram o jogo e quando Gessi fez o terceiro gol gremista, Lennon rompeu o silêncio:
“That’s it.”
“What??” Asked Paul.
“It`s in my ears and in my eyes.”
“Something in the way they move”, cantou George.
Os Beatles haviam aprendido a ser Hard Day`s Night trabalhadores na Alemanha, mas naquela tarde tinham, num passe de futebol, percebido a arte e o mundo com outro ângulo. Era a semente da ótica da mistura, da diversidade, do tropical: Airton, Ortunho, Gessi, Henrique... aqueles brasileiros aguerridos e dançantes. Uma semente do ecossistema do Tropicalismo que floriu em Sgt Pepper`s para frutificar num Araça Azul. Wolkswagen Blues.

Nenhum comentário:

Postar um comentário